11 de dezembro de 2011

Planos


A vida corrida e cheia de afazeres é uma muleta para o homem urbano. Logo ele se aproveita de tudo isso e a usa como desculpa por não ter feito muita coisa naquele ano. Com o fim de 2011 vem também o inevitável balanço das coisas realizadas e daquelas metas não alcançadas. Quando o tempo finalmente se disponibiliza, pelo menos uma boa parte dele, nos defrontamos com o grande problema de não darmos prosseguimento aquilo que queremos ou bem intencionamos, exatamente quando tivéssemos mais tempo.
Estou de férias da faculdade, enfim, isto é fato. Notas e médias alcançadas me deixarão livre pelos próximos meses para finalmente ler mais, ver os filmes que desejo, assistir às séries de que gosto, de passar mais tempo com a família, namorar e descansar. Nonada, todo mundo sabe que planos são planos e que entre o traçar e o cumprimento deles existe um longo caminho a ser percorrido.
Ainda leio apenas no caminho entre trabalho e casa, simplesmente não consigo fazê-lo no seio do lar. A Internet está uma porcaria de lenta e baixar um episódio d’alguma série famosa é esperar por quase um dia praticamente. O cansaço resultante do trabalho não permite minha concentração em mais de uma hora de filme. Como superar a realidade? Como perseverar e atingir os objetivos? Será que a Palmirinha tem uma receita para essas coisas, receita da qual não engorde também, já que a barriga já está ficando evidente e exigindo um número maior para as calças que eu uso?
           Uma boa ideia é parar de ter tantos planos ou boas intenções, olha o inferno cheio delas lá embaixo e, o pior, o inferno não está muito longe de nós e o purgatório vivemos todos os dias em cada serviço mal prestado, em cada burocracia que trava o fluxo de nossas vidas tão fadadas ao não. Pelo menos esta estratégia tem funcionado nos últimos anos, por mais que tenha sonhos e planos, não os coloco em uma lista de prioridades, ordenando-os de 1 a 10, assim, não preciso ficar às voltas com cobranças pessoais e passo o ano apenas lidando com os fatos presentes e suas consequências futuras.

Um comentário: