12 de dezembro de 2012

Calor!

 

O esgotamento físico que te impede de fazer a mínima coisa, que afugenta a criatividade, a vontade de agir, que te enche de sono, que prega as pálpebras tal qual a força da gravidade nos prende ao chão, gravidade que faz com que o mundo seja um todo pressionado em harmonia, sono que nos prega à cama, com o corpo todo desconcertado. Para que ouvir um disco, ler um livro, zapear a televisão se tudo que o resume é o torpor? O calor escaldante na atmosfera contribui para a homogeneidade em forma de exaustão.
Posso culpar o tempo, as altas temperaturas? Meu cotidiano é uma batalha diária contra o termômetro que explode nos seus 30 graus, que ultrapassa esta marca, materializa-se em mormaço, castiga o corpo que chora através do suor incessante. Calor que não dá para lutar contra. Por que? Não tenho dons para a pajelança, não sei a coreografia da dança da chuva, apenas suplico por ela ou por algum refresco através de reclamações dentro de mim, através de vocativos a Deus.
Só espero que o fim do mundo não termine em calor, pois além do desespero de que não haverá mais amanhã para todos nós, teríamos que nos preocupar em nos abanar, nos abanar e nos despedir de tudo e todos ao mesmo tempo. Que maçada seria! Se Deus for um ser vingativo, pelo seu próprio amor, tire de sua face o sorriso sardônico, não anote nada do que escrevi em seu caderno ou no capítulo final do romance da humanidade! Não encare isto como uma sugestão!
Apenas traga a brisa, o vento para nos refrescar no caminho para o almoço. Apenas traga a sombra, para que a pele não fique curtida involuntariamente, já que o contexto da cidade excessivamente urbana não é o lugar perfeito para o bronzear da tez, melhor seria uma praia e uma água de coco e o mar infinito a se impor à nossa frente. Que ao menos o ar condicionado das nossas empresas nos ajude a sofrer menos, amenize o pesar corporal ou contribua para um futuro resfriado já que o choque térmico com o ar livre é inevitável.
Como o gosto do tempo é relativo, tem gente que adora a temperatura atual, haverá quem reclame quando os termômetros caírem ou a moça do tempo do telejornal anunciar dias que não passem dos 20°C. Não sou totalmente contra o calor, não que ele não possa existir, mas que o frio não se esqueça de manifestar-se de vez em quando, um pouquinho só que seja.


Um comentário:

  1. Aqui no Rio, meu caro amigo, o raio laser está passando em todos os cantos. É o maçarico ligado em 220 volts

    ResponderExcluir