27 de dezembro de 2014

Na Estante 28: A Via Crucis do Corpo – Clarice Lispector


Livro: A via crucis do corpo
Autor: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Ano: 2009
Páginas: 78


Já fazia muito tempo que eu não lia algo de Clarice Lispector. Por intermédio de meu amigo da faculdade, Eduardo Eulálio, que escreveu um TCC a respeito desta obra em específico, eu conheci esse trabalho chamado “A Via Crucis do Corpo” considerado menor pelos especialistas em relação ao restante de sua produção mais conhecida (como A Hora da Estrela, A Paixão Segundo G.H., Laços de Família). É uma coletânea de contos encomendados pelo então editor de Clarice onde a temática erótica é predominante. Claro que estórias de cunho erótico e sexual sob a pena clariceana nunca recorrerão ao lugar-comum e o mesmo estranhamento que sua prosa existencial causa está presente nestes textos. Clarice retrata o desconforto de escrever estas estórias em três contos/crônicas (Explicação, Por enquanto e Dia após dia) e narra o processo e o contexto da criação delas. As estórias de “A Via Crucis” flertam com o humor, suas personagens são mulheres pudicas que vão de encontro com situações extremas ou sutis de sexualidade ou figuras tão frequentes da noite e do submundo que se defrontam com situações-limite: temos a moça recatada que recebe a visita de um ser vindo de Saturno (Miss Algrave); um homem que trai suas duas mulheres, perturbando a harmonia existente entre os três (O Corpo, também adaptado para o cinema); uma mulher casada e virgem que engravida, qualquer relação com a Anunciação não é mera coincidência (A Via Crucis); mulheres que disputam a atenção masculina com seus ‘amigos’ homossexuais (Ele me bebeu e Praça Mauá), uma idosa que se envolve com um garoto (Mas vai chover), entre outros contos divertidos e reflexivos. O desprezo de Clarice pelo o que escreveu é compreensível até certo ponto, porque, mesmo numa obra de encomenda, Clarice consegue não fugir totalmente ao universo e estilo que ela engendrou e fez seu sucesso literário e desperta tantos admiradores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário