20 de fevereiro de 2015

Na Estante 34: Sociologia da Leitura (Chantal Horellou-Lafarge & Monique Segré)


Livro: Sociologia da leitura
Autor: Monique Segré, Chantal Horellou-Lafarge
Editora: Ateliê Editorial
Ano: 2010
Páginas: 160


O universo da leitura é amplo e cheio de idiossincrasias. Afinal o que leva uma pessoa a ler, quais fatores determinam a escolha de um livro? Sexo, classe social, grau de escolaridade exercem alguma influência? Quais gêneros leem os homens e as mulheres? Leitura se refere a apenas livros ou podemos incluir as revistas, jornais, HQ’s, a televisão? Como era o relacionamento do indivíduo com o livro em séculos anteriores, o que mudou desde então? As autoras Chantal Horellou-Lafarge e Monique Segré tentam responder a estas e outras perguntas no livro “Sociologia da Leitura” que faz um estudo dos hábitos leitores desde o advento do livro, quando não tinha o formato atual e era feito de outros materiais ou era encomendado aos monges que copiavam os clássicos latinos e gregos e a Bíblia, até os tempos mais recentes quando o livro tornou-se um objeto de consumo.
Claro que as autoras fazem um panorama específico da realidade francesa, o estudo chega a apresentar dados estatísticos do perfil dos leitores desse país. Porém a realidade de um país com cada vez menos leitores assíduos, resultante da pouca escolaridade ou omissão dos governantes ou a concorrência de outras mídias (televisão, games, internet etc.) não foge muito ao que o Brasil vive desde muito tempo, guardado as devidas proporções. O livro foi sempre um privilégio das classes abastadas, por ser um artigo caro e até mesmo decorativo nas residências nobres e ricas. Já nas classes mais pobres, o acesso era limitado ou não existia, cenário que mudou um pouco com a presença de bibliotecas públicas, a parca educação que recebiam, onde tinham um primeiro contato com o texto escrito ou as esparsas campanhas de incentivo a leitura e alfabetização dos consecutivos governos.

De uma leitura compartilhada em espaços públicos, herança da tradição oral, a um ato cada vez mais individualizado, o hábito de ler traz características, motivações e consequências particulares. Não se restringe apenas ao livro, porém o livro ainda carrega em si a aura de uma atividade culta, diferenciada das leituras que fazemos diariamente e o tempo todo. O ato de ler transforma aqueles que se dispõem (com o incentivo da família, pelo contato primário nas escolas, por uma necessidade de trabalho etc.) a embarcar em suas páginas, adquirindo um conhecimento e uma experiência que ninguém mais pode arrancar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário