22 de maio de 2016

Na Estante 57: Angústia (Graciliano Ramos)


Livro: Angústia
Autor: Graciliano Ramos
Editora: Record
Ano: 2011
Páginas: 350

Luís da Silva é um dos grandes protagonistas desenvolvidos por Graciliano Ramos e Angústia, o romance mais atípico do escritor alagoano, pelo conteúdo existencial e psicológico. Funcionário público, pobre, morador de uma puída pensão, Luís acaba fazendo amizade e depois se apaixonando e namorando a vizinha Marina. Conhecemos um pouco de sua rotina, os outros moradores da pensão, os colegas de trabalho e Julião Tavares, rapaz de boa situação financeira, gordo, parnasiano a quem Luís da Silva alimenta um profundo desprezo e irritação. Até que Julião surge como rival e uma ameaça ao seu relacionamento com Marina.
Desta forma o leitor mergulha na mente deste personagem obsessivo, depreciativo de si mesmo, cujas reminiscências da infância e juventude vêm e vão. Por ser um texto de cunho mais psicológico, que se aproxima dos fluxos de consciência que marcaram a literatura da primeira metade do século XX, apesar de não ao ponto do radicalismo de um Joyce ou Proust, mas provavelmente inspirado em outro autor que dedicou muitas páginas aos recônditos obscuros da mente humana, Fiódor Dostoiévski, Graciliano entrega, com Luis da Silva, o seu Raskolnikov (mesmo que ele negue a influência do clássico russo).
Apesar disso, a instabilidade psicológica também leva o texto a certa repetição proposital de ideias, memórias e imagens mentais que pode cansar um leitor mais impaciente. Problema que o próprio Graciliano, em carta ao crítico Antonio Candido, reconhece. Incômodo e perfeccionismo que o escritor alimenta em relação a outros de seus escritos, demonstrando a criticidade com que enxerga a sua obra e que reverbera no seu estilo. Se em Angústia não encontramos, num grau maior, a mesma secura e objetividade de outros romances (sua marca registrada), porém os leitores podem se deparar com o seu trabalho mais emocional e mergulhar nos pensamentos perturbadores e nos tormentos de Luís da Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário