31 de maio de 2016

Não é não!


Não é não!
Não é recusa. Não é negação!
Quando o não é dito não cabe um mas, um no entanto, nem um porém.
Não cabe culpa em quem diz não, diz para, diz chega.
Responsabiliza-se aquele que infringe, despótico, a quem ignora, arbitrário, aquilo que não se quer mais.
Culpa-se a insistência do algoz, sua falta de empatia, a insensibilidade, a força bruta. Acusa-se quem arranca gemidos de dor, quem desencadeia o choro pela violência.
Vileza, malvadez, ojeriza. Para isto não há um mas, um no entanto, nem um porém. Cabe apenas um ponto final.


Nenhum comentário:

Postar um comentário