2 de janeiro de 2017

Na Estante 68: As meninas (Lygia Fagundes Telles)


Livro: As meninas
Autor: Lygia Fagundes Telles
Editora: MEDIAfashion
Ano: 2012
Páginas: 320

Uma das correntes da crítica literária é a análise formal do texto, livre das informações do contexto histórico e de outras correntes do pensamento humano, influenciada pelo formalismo russo e o new criticism. Ao se fazer a leitura de As meninas, de Lygia Fagundes Telles, um dos principais problemas é não colocá-lo em perspectiva com o momento em que foi lançado: os anos de chumbo da ditadura militar brasileira.
Lorena, Ana Clara e Lia, um trio de protagonistas tão díspares cujas vozes, pensamentos e conversas são amalgamados na prosa de Lygia, num uso acertado do discurso indireto livre das narradoras autodiegéticas, num inconstante fluxo de consciência. A primeira, uma estudante de Direito, às voltas com um romance fracassado com um homem mais velho (chamado por ela pelas iniciais M.N.) e casado, ela vive encerrada no pensionato onde está hospedada e dedicada aos estudos cercada de seus discos e livros e da recordação da morte do irmão mais novo. A segunda, uma modelo viciada em heroína dividida entre um relacionamento amoroso junkie com um traficante e um casamento com um homem rico (além das memórias de sua infância sofrida e repleta de abusos). A terceira, uma estudante que veio da Bahia e largou a faculdade para dedicar-se à guerrilha revolucionária.
É por esta última personagem que o livro traz à cena literária os espinhos da ditadura militar e também a utópica luta dos grupos revolucionários de esquerda, nesse caso As meninas cutuca um vespeiro em tempos cheios de censura e conservadorismo, além de esmiuçar de maneira aberta e inédita a alma feminina. 
Lygia alterna os pontos de vistas, põe em seu texto as expectativas e frustrações destas três garotas que representam a classe média da época e a juventude de seu tempo e disseca as inquietações e medos de personagens que, apesar de enfrentarem os ardores da vida adulta, com tudo o que elas têm de direito (sexo, drogas, ideologias, famílias disfuncionais, etc.), ainda não deixaram de serem as meninas do título quanto às esperanças e ilusões que nutrem.
As meninas foi publicado em 1973 e quando alguns especialistas classificam de corajosa a atitude de Lygia Fagundes Telles em escrever semelhante obra num período tão conturbado esquecem que a escritora é uma artista que sempre preferiu o risco ao invés de recorrer à soluções mais simplórias em sua literatura. A coragem já estava intrínseca na escrita dela e é evidente nas linhas deste belíssimo romance.

Nenhum comentário:

Postar um comentário